SEPARAÇÃO E ACONDICIONAMENTO DE LIXO INFECTANTE NO CONDOMÍNIO

1-lixo-hospitalar2

A ausência de normas sobre a coleta e separação do lixo pode, além de agravar problemas ambientais, afetar a vida em condomínio. Para isso, é preciso um investimento para a adequação do espaço, a fim de que haja um recolhimento seletivo e que o lixo infectante esteja seguramente separado dos demais, tendo em vista que o valor gasto retorna em melhorias na qualidade de vida, exercício da cidadania e preservação do meio ambiente.

É necessário construir uma consciência coletiva de que o lixo é responsabilidade de quem o gerou, o que o torna também responsável pelo descarte, sendo de extrema importância que o acúmulo do material que será dispensado. ocorra longe das portas da lixeira central, já que isso impede que o colaborador responsável abra ou feche as lixeiras adequadamente.

Outro grande e preocupante problema é o lixo infectante, que envolve material hospitalar e, por isso, não pode ser despejado na lixeira comum. Alguns exemplos são gaze, algodão, bandagens, seringas ou agulhas que tiveram contato com sangue ou fluidos corporais. O correto é que esse material seja adequadamente embalado e recolhido por empresa contratada para este fim específico, que dará um destino correto ao lixo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem regras para o acondicionamento e tratamento desse tipo de resíduo, que objetiva evitar danos ao meio ambiente e minimizar o risco de acidentes entre as pessoas que manuseiam ou tenham acesso ao descarte.

Em condomínios de BH, é importante destacar, que a separação e acondicionamento dos resíduos infectantes é de responsabilidade dos condôminos, conforme determina o artigo 73 da Lei Municipal 10.534, de Setembro de 2012, que diz: Art. 73 – O gerenciamento dos resíduos sólidos gerados em edificação multiocupacional de qualquer uso é de responsabilidade solidária dos condôminos, dos proprietários ou dos usuários de unidade ocupacional.

O mais importante é que o senso de coletividade permaneça para que o condomínio – residencial, empresarial ou hospitalar – seja cada vez mais um lugar de convívio seguro e consciente!