MÃO DE OBRA ESPECIALIZADA

maodeobraespecializada

Quando há necessidade de contratar serviços específicos, pode surgir a dúvida se é melhor contratar um profissional diretamente (em regime CLT), autônomo/MEI ou uma empresa especializada na área. Para tomar essa decisão, é preciso avaliar algumas condições para o serviço:

  1. Periodicidade e carga horária

Normalmente é mais difícil e oneroso contratar pessoas, com carteira de trabalho assinada, para trabalhar com uma carga horária baixa ou com uma periodicidade de execução muito eventual. Além disso, acontece de não haver demanda de trabalho suficiente para ocupar toda a jornada do empregado, o que gera ociosidade e inviabiliza a contratação direta. Nesse caso, o problema pode ser solucionado pela contratação de um autônomo/MEI ou empresa especializada.

  1. Gestão da Mão de Obra

A contratação de um empregado próprio (em regime CLT) exige uma estrutura para se encarregar pela folha de pagamento, fornecimento de informações aos empregados e órgãos governamentais, contracheques, folhas de ponto, fichas de registro, acompanhamento em homologações, arquivo, organização de documentos, recrutamento, seleção, supervisão, treinamento, acompanhamento e um gestor próximo que possa dar suporte, orientar e cobrar melhorias. Portanto, dependendo do serviço e da estrutura, a contratação de um autônomo/MEI ou uma empresa pode representar a otimização do tempo e redução de custos.

  1. Disponibilidade

Alguns serviços exigem disponibilidade em razão dos prejuízos que podem ser gerados pela falta do trabalhador. Por exemplo: Alguns prédios possuem portaria 24 horas e sistema de segurança e comunicação eletrônica, independente da portaria. Outra situação é a de um escritório que precisa de serviços de limpeza diária, mas não faz atendimento ao público. Nesses casos, a falta de um profissional em um dia, em razão de imprevistos, não é um impeditivo para o funcionamento dos estabelecimentos. Portanto, a contratação direta, com carteira assinada, pode ser uma boa opção. Por outro lado, em edifícios que não possuem controle de acesso e segurança independente da portaria ou escritórios com atendimento ao público ou grande circulação de pessoas, a falta do profissional compromete o funcionamento, a segurança e a limpeza dos locais. Nesse caso, deve-se considerar a contratação de uma empresa para essa atividade, já que se o funcionário tiver férias, se afastar ou não trabalhar em determinado dia, é obrigação da empresa fornecer outro colaborador para dar sequência ininterrupta ao serviço.  A contratação direta, nos casos em que a disponibilidade é necessária, acaba obrigando o empregador a trabalhar de forma irregular, forçando outro funcionário a fazer horas extras excessivas, contratando pessoas informalmente ou desviando a função de algum empregado, muitas vezes sem o treinamento necessário, para cobrir o buraco.

  1. Pessoalidade

A pessoalidade normalmente é preferida por pessoas físicas e empresas menores, em razão da sensação de conforto e intimidade que se cria com o prestador de serviço. Nesse caso pode se optar pela contratação direta ou de um autônomo/MEI (para atividades permitidas). Entretanto, serviços especializados exigem principalmente a capacidade técnica e, portanto, não é necessário que a mesma pessoa preste o serviço e qualquer outro com conhecimento adequado pode executar o trabalho. Não havendo essa exigência, é recomendada a contratação de uma empresa especialista, que terá uma equipe sempre disponível para resolver os problemas. Com isso, o empregador pode voltar seu foco e recursos para melhorar a qualidade de seus serviços sem se preocupar.

  1. Risco, valor e garantia

Algumas atividades representam um alto risco e, portanto, exigem um serviço altamente qualificado. Por exemplo: a limpeza das caixas e colunas de gordura de um prédio, que contribui para livrar os dejetos que se acumulam, evitando transbordamentos de água, de gordura e de sujeiras através da tampa e do ralo, além de prevenir o entupimento nas tubulações, mau cheiro e aparecimento de insetos. Se o serviço não for feito da forma e na periodicidade apropriada, a obstrução no encanamento, o odor e a ocorrência de vazamentos podem forçar a contratação de um serviço de emergência, com custo bem superior ao de uma manutenção preventiva. A depender do porte e do serviço a ser executado, entendemos que o melhor seria investir na contratação de um autônomo/MEI ou empresa que possua ferramentas, treinamento e possa oferecer e ser cobrada pela garantia do serviço prestado.

Contratando a CWR – Gestão de Mão de Obra como terceirizada, você terá à sua disposição um quadro de colaboradores com o perfil que precisa e contará com a Garantia de Proteção, vantagem que só a CWR oferece. Fale conosco e saiba mais!